Sabrina Carpenter Brasil

Sejam bem-vindos ao Troian Bellisario Brasil! A sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Troian Bellisario no Brasil, conhecida pelo seu papel na série "Pretty Little Liars" como Spencer Hastings. Navegue pelos menus acima e sinta-se em casa!
19.07.2017

Assista “Joyful Girl” curta metragem da Troian de 2012

Por anos só tínhamos o trailer desse projeto feito pela Troian com seu amigo Shane Coffey que foi gravado em 2012. E hoje conseguimos baixar e legendar esse curta pra vocês.

Joyful Girl conta a história de Belle (Troian), uma jovem que quer sair de um relacionamento que caiu na mesmice mas não tem coragem de contar ao seu namorado, Nic, interpretado por Shane.

Se você é menor de idade, avisamos que contém cenas de sexo. Confira abaixo legendado pela nossa equipe:


Caso queira conferir algumas fotos desse projeto, clique nas miniaturas abaixo para ser redirecionado a nossa galeria:

joyfulgirlstill-001.jpg joyfulgirlstill-002.jpg joyfulgirlstill-006.jpg joyfulgirlstill-004.jpg

21.07.2016

Troian fala de Still A Rose para a US Weekly

Troian concedeu uma entrevista para o site US Weekly falando sobre seu novo curta metragem, que foi lançado no último dia 12, Still A Rose, confira a entrevista traduzida abaixo:

A estrela de PLL, Troian Bellisario fala exclusivamente com o US Weekly sobre seu novo curta metragem, Still A Rose, que chegou ao iTunes na semana passada, oferecendo uma nova visão moderna e brilhante do clássico Romeu e Julieta, de Shakespeare e a famosa cena do balcão.

“Eu achei que era brilhante”, Bellisario, que interpreta Julieta, fala sobre o projeto. “Precisamos de pessoas para ver que o amor é igual entre todos os gêneros, entre as sexualidades. Quanto mais eu assisto, mais eu amo o final, quando os casais se beijam, e os ciclos entre eles. No começo, seus olhos começam a ir para, ‘Ok, são dois caras, e agora são duas garotas’. Mas no fim, você fica tipo, ‘Eu estou assistindo um beijo entre dois seres humanos.’ É sobre a igualdade do amor.”

Bellisario, 30 anos, também conta que ela trabalha com cinema com Hazart para ajustar o diálogo para refletir o amor no mundo moderno.

“Eu sou uma defensora de ficar no texto e o quão isso é importante!” ela admite. “Eu não queria alterar nenhuma palavra, mas estávamos tentando descobrir, ‘Ok, bom, tem algumas frases que eu sinto mais masculinas ou femininas e precisamos mudar isso para ampliar a ideia um pouco.’ Eu sou uma grande nerd de Shakespeare. Tivemos que reexaminar algo que eu li milhares de vezes mas eu nunca li com isso em minha mente. Foi muito legal!”

A atriz também revela o quão importante foi para ela fazer parte desse projeto e mostrar que o amor é igual, não importa o sexo ou orientação.

“Pensamos que estávamos fazendo um apoio [a comunidade LGBT] tentando fazer esse filme há um ano atrás e dizendo, ‘Precisamos de pessoas para ver que o amor é igual entre gêneros e sexualidades”, ela frisa. “É triste que um ano depois você diz, ‘Oh, você fez isso em resposta com esse evento horrível que acabou de acontecer?’ Eu não posso acreditar que ainda temos que dizer essas respostas.”

Além de comemorar o lançamento de “Still A Rose”, essa temporada de PLL marca um novo marco para Bellisario, ela vai dirigir o 15º episódio da 7ª temporada da série da Freeform.

“Eu estou muito animada e muito nervosa!” Bellisario, que interpreta Spencer Hastings, admite. “Nós nos movemos num ritmo tão rápido. Estou nervosa sobre estar em cena e ter que atuar, e aí tudo muda e fica, ‘Oh, ok, na verdade estou dirigindo, e aqui está uma nota pra você.’ Vai ser interessante para mim meio que criar essa nova linguagem para o set.”

Bellisario também discute a cena picante no elevador com o novo policial da cidade, Marco (Nicholas Gonzales), justamente com o amor da atriz por fazer personagens multifacetadas.

“Foi muito divertido gravar isso”, ela diz. “Eu me sinto grata pela personagem que eu interpreto, e pelos escritores que escrevem a série, porque eles me dão coisas divertidas. Você pode ver os problemas impulsivos da Spencer. Ela é inteiramente lógica, e aí ela é completamente reacionária.”

Still A Rose está disponível para compra no iTunes (aqui) e OnDemand no Vimeo (aqui).

Tradução/Adaptação: Equipe TBBR
Fonte: US Weekly

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Entrevistas, Matéria
15.07.2016

Novas Reviews de Still a Rose.

Review 1 – Pride.

Ano passado, a tragédia de amor, Romeu e Julieta recebeu uma merecida releitura não heterossexual no curta metragem Still a Rose de Hazart. Depois de fazer uma rota por festivais de filmes LGBTs , o curta, estrelando a estrela de Pretty Little Liars, Troian Bellisario, está disponível agora no Itunes e no Vimeo por US$ 2,99.

Em Still a Rose, Troian atua como uma Julieta na famosa cena da sacada, enquanto Will Branske retrata outra Julieta no curta. Enquanto isso, Tinuke Oeyfule e Brandon Crowder interpretam outros dois Romeu, fazendo uma série pares de mesmos e opostos sexos, revolucionando gêneros e sexualidade.

No ano passado falamos com Troian, cuja paixão por Shakespeare e igualdade não conhecem limites.

“Para mim, fazer uma mulher e uma mulher ou fazer um homem e um homem dentro de uma família muito rica, trouxe de volta que há um monte de lugares onde isso seria escondido,” Troian nos contou sobre intercâmbio de gênero e sexualidade no filme. “O perigo tornou-se imediatamente real novamente. De repente, você olha para esses dois amantes e você diz: “Eu conheço esta história. Eu amo essa história. “E, de repente, não parece justo que só porque eles são agora um casal do mesmo sexo…”

A excelente etiqueta do filme, de Hazart, é “Uma grande história de amor já contada é reinventada atrás do olhar do amor de mesmo sexo.”

Se Hazart soa familiar é porque é a mesma dupla de cineastas que trabalhou com Troian Bellisario e sua colega de Pretty Little Liars, Shay Mitchell que rolavam em lençóis com cabelos despenteados em Immediately Afterlife, que não foi um curta Queer-temático, mas provavelmente há um espaço para esse tipo de interpretação. Ainda, Troian fez uma aparição no clipe do Head and the Heart, Another Story; sobre uma trágica história de amor entre duas jovens garotas em um relacionamento nos opressivos anos de 50 e 60.

Review 2 – Teen Vogue.

O curta metragem Still a Rose, estrelando Troian Bellisario de Pretty Little Liars, foi liberado hoje. É uma releitura de Romeu e Julieta, talvez você já ouviu sobre isso, mas com uma reviravolta: O filme integra raças e temas LGBTQs no seu fluxo temporal.

Troian interpreta Julieta, mas ela compartilha o papel com Will Branske. (Tinuke Oyfule, quem interpreta Romeu, também aparece com o Julieta). Um fato, eles apenas contam com apenas quatro atores no curta, dois interpretando Julieta e dois interpretando Romeu. O filme foca particularmente na famosa cena na varanda da obra Shakespeariana, usuando-a como pano de fundo para a trama do filme. A mágica acontece com os casais de atores, interpretando gay, lêsbico e interracial casal ao longo do tradicional heterossexual Romeu e Julieta.

O curta estreou em Junho de 2015, e desde então, ele tem sido visto em festivais  de cinema em todo país, como o NewFest: New York’s LGBTQ Film Festival e Reeling: Chicago’s LGBTQ Film festival.

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Review
07.07.2016

Divulgada data de lançamento de Still A Rose

Depois de mais de um ano de espera desde a divulgação e gravação do curta Still A Rose, finalmente temos uma data: 12 de julho de 2016, a confirmação veio do site JustJared. Confira traduzido abaixo:


Julieta (Troian Bellisario) beija sua Romeu (Yinuke Oyefule) no still de Still A Rose.

Um curta de “Romeu & Julieta”, centra em duas famílias, ambas iguais em dignidade, em Verona, onde acontece a cena. Através da lente moderna da igualdade, Romeu e Julieta mudam na tela. Empregando Shakespeare e o cinema, duas grandes linguagens artísticas se juntam para reintroduzir um conto intemporal de amor jovem e tragédia para um público novo.

Focando no mais icônico amor jovem da literatura, “Still A Rose” serpenteia através da mistura de raça e sexo no arco da famosa cena do balcão (ato II, cena II) de Romeu e Julieta.

Corajosamente dissonante e sem emenda, Romeu (Brandon Crowder, Oyefule) e Julieta (Bellisario, Will Branske) transformam as celebradas palavras de Shakespeare em uma nova vida e novo amor. Porque amor, por qualquer outro nome, ainda é amor.

Still A Rose será lançado no iTunes nesta terça, 12 de julho.


Fonte: JustJaredJR

Você pode conferir o trailer do curta (sem legenda) abaixo:

Publicado por   |   Armazenada em: Atualizações, Curta-metragens
22.03.2016

Troian grava novo curta metragem

Nesse fim de semana, Troian postou em suas redes que estaria viajando novamente, até então não sabíamos o motivo, mas ontem, através do Instagram descobrimos que se trata de um novo curta metragem (sim gente, mais um!).

O nome do curta é “In The Shadows Of The Rainbow” (Nas sombras do arco íris) e contará a história de orfãs nova-iorquinas voltam para a fazenda de maconha onde antes foi seu lar nos anos 90 e descobrem as ermas verdades sobre o paraíso hippie que elas deixaram quando crianças.

Confiram algumas fotos liberadas das gravações:

CeEelSKWIAAFKwi.jpg CeFzbucUAAEU4nq.jpg InstagramTroian-002780.jpg CeJglg8VIAE8aNA.jpg

As gravações provavelmente duraram só o fim de semana, uma fã encontrou a Troian no aeroporto, acreditamos que já estivesse voltando para casa:

CeJgyfrUYAALjsB.jpg CeJgyfrUYAALjsB.jpg CeJgyfrUYAALjsB.jpg CeJgyfrUYAALjsB.jpg

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Galeria
19.01.2016

CutPrint Film: Review sobre Amy

O site CutPrint Film fez uma review falando sobre o mais novo curta da Troian, Amy. Confira traduzido pela nossa equipe abaixo:

Curtas-metragens importam sim. E o Vimeo quer que você saiba isso. Nós também. É por isso que nós vamos dar uma olhada em alguns melhores e mais brilhantes curtas semanal do Vimeo. Esta semana, trazemos-lhe Amy de Jacob Chase.

O Filme: Romance moderno é um dos tópicos favoritos do mundo de curtas-metragens. Mas finamente desenhado personagens e cenários muito bonitos fazem que filmes mais curtos saiam errados. Amy de Jacob Chase é um dos poucos curtas que fez o certo. Acentuadamente escrito com uma energia pressionando, Amy imita a fórmula ‘andando e falando’ que provou ser tão bem sucedido antes da trilogia de Richard Linklater e centra a sua ação em uma única tarde. Puxando performances naturais dos atores Alex Karpovsky e Troian Bellisario, Chase apresenta um filme pouco impressionante porém tão honesto como ele é de imediato.

O Enredo: Um encontro casual entre ex-amantes pode apenas levar ao romance reacender. Por quê você deve assistir? Porque tem Alex Karpovsky no elenco e você deve ver tudo que ele está dentro. Um ator raro que pode interpretar todo homem ferido tão facilmente como um charme neurótico, Karpovsky oferece um desempenho com a alma em Amy, que combina sua marca registrada de cínico-doçura com apenas uma sugestão de ameaça. Combinando a sua energia e jovialidade cada passo do caminho com a recém-chegada Troian Bellisario. Conseguir mais com o dardo de um olho do que a maioria das atrizes realizam com grande monólogo, Bellisario entrega, uma performance apaixonada pensativa que é suave e confiante em uma maneira que os filmes raramente permitem as atrizes ser. Como a história se desenrola, a energia unificada dos atores cria uma sensação impressionante de intimidade em cada linha de diálogo e cada olhar de soslaio. No seu coração, Amy é um filme sobre a química – e a química entre os dois terminais é poderoso. Quando Karpovsky pronuncia a frase, “você ainda me deixa louco” no meio do filme, você realmente acredita nele. A resposta de Bellisario é tão honesto como é devastador. No momento em si é impagável. Karpovsky e Bellisario devem muito a um roteiro de lâmina afiada que aparece com a penetrante emoção certa de abertura desconfortável dos filmes. Através de interações e diálogos desajeitados crepitante, Chase pinta uma imagem clara de por que esses personagens são atraídos um pelo outro. Nós também temos um vislumbre do porquê de eles terminaram em primeiro lugar. Como jogos de grande escala emocionais, os personagens de perseguição frequentemente falam em torno do que seus corpos estão projetando. Com uma pura fotografia belamente simétrico do DP Danny Grunes e um pouco de edição maravilhosa de som de Mixer Josh Bissett, os espectadores ansiosamente entram em um impecável momento romântico. As consequências desse momento é bastante inesperadas. Mas eu vou parar e deixá-lo ver por si mesmo.

Conheça a equipe: Escrito e Dirigido por: Jacob Chase. Estrelando: Alex Karpovsky e Troian Bellisario. Direção de Fotografia: Danny Grunes. Mixadorde Som: Josh Bissett.

Tome nota do escritor / diretor Jacob Chase. Com uma característica – A Four-Faced Liar (2010) – e uma série de curtas em sua carreira, Chase é um cineasta que vale a pena assistir. Quanto Karpovsky? Bem, ele continua a produzir um desempenho convincente após o outro. Você pode vê-lo no Coen Bros (5 de fevereiro).  Você não vai se arrepender. Enquanto você está cutucando em torno do local, pegar alguns dos milhares de curtas-metragens – animado e ação ao vivo – as almas bondosas no Vimeo deixaram disponível para o seu prazer (via desktop ou dispositivo móvel). Você está certo de encontrar algo interessante e você pode apenas tropeçar em toda a próxima grande cineasta.

Tradução/Adaptação: Nalígia Moura
Fonte: CutPrint Film

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Matéria, Review
12.11.2015

Troian concede entrevista ao site SheWired

Troian concedeu uma entrevista ao site SheWired onde ela conta detalhes sobre Still A Rose e a mudança dos gêneros dos personagens na peça. Leia traduzido abaixo:

“Recusa teu nome e renega a teu pai; ou se preferir abandonarei a minha família para viver eternamente contigo. Deixarei de ser uma Capuleto” é um dos trechos mais reconhecíveis de toda a literatura ocidental. Mas quando a estrela de Pretty Little Liars, Troian Bellisario o pronuncia como Julieta falando com Romeu (Brandon Crowder) e uma Romeu feminino (Tinuke Oyefule) no fascinante e estranho curta-metragem Still a Rose, as palavras assumem um inteiramente novo ou seja, imbuindo os trechos com gênero e fluidez sexual.
O curta, de Hazart (Matthew Stewart e Kyle Hasday), fez a sua estreia em junho, no renomado festival Frameline de São Francisco. Este domingo, 25 de outubro, o filme joga para o público da costa leste no Newfest: LGBT de Nova York Film Festival. Still a Rose marca a segunda colaboração de Bellisario com Hazart, dois graduados da Universidade Chapman, que chamou a atenção de Bellisario e da companheira Shay Mitchell quando Stewart e Hasday eram assistentes de produção em Pretty Little Liars, Bellisario disse em uma entrevista com SheWired. Sua primeira colaboração com Hazart destacou Bellisario e Mitchell como os únicos sobreviventes de suicídio em massa de um culto em Immediately Afterlife.
Bellisario, 29 anos, que interpreta a inteligente e experiente Spencer Hastings no hit da ABC Family, Pretty Little Liars em sete temporadas, também tem feito um nome para si mesma como uma queridinha indie, estrelando em curta-metragens como Immediately Afterlife e Still a Rose, dirigindo e estrelando em seu curta-metragem Exiles (a opinião sobre o que poderia ter acontecido se Romeu e Julieta não tomar suas próprias vidas), e interpretando o comovente clipe “Another Story”, um trágico mas duradouro o amor entre meninas adolescentes.
Hazart se aproximou de Bellisario, uma “Shakespeareana”, para estrelar Still a Rose, sua releitura da onipresente cena do balcão de Romeu e Julieta que apresenta o emparelhamento heterossexual tradicional de uma Julieta e um Romeu, mas trocá-los com uma Julieta (homem) (Will Branske) e um Romeu feminino. O resultado é um filme que vira a tradição em sua cabeça. Alternando o emparelhamento tradicional de Bellisario com Crowder para ela e uma Romeu (interpretada por Oyefule) não só imagina o perigo de um emparelhamento do mesmo sexo, mas também fala à fluidez do gênero e da universalidade do amor. Mais atraente está próximo passo do filme, que conta com corte rápido dos quatro casais (Julieta-mulher/homem Romeu, Julieta-mulher/Romeu-mulher, Julieta-homem /homem-Romeu, Julieta-homem/Romeu-mulher), em que tudo o que eles quase se transformam em um, fazendo este Romeu e Julieta um conto para representar toda a humanidade.
Bellisario conversou com SheWired sobre sua obsessão com Shakespeare, sua motivação para esta Julieta ultra-moderna, contou sobre Spencer Hastings com mulheres estranhas, e como o elenco de Pretty Little Liars é como uma “grande festa do pijama.”
Você se lembra de sua primeira introdução a Shakespeare?
TB: Eu sempre soube que queria ser uma atriz e eu amei o teatro. Lembro-me de ser tão jovem como na quarta série e ser fascinada com o livro do meu pai, “Obras Completas de Shakespeare”. Era este um livro grande, encadernado em couro. Eu sempre me lembro de meu pai esconde-lo, e eu realmente não entendo muito disso. Mas ele viu que eu estava interessada em Macbeth, então ele iria me mostrar uma versão de Macbeth, com Ian McKellen, ou Hamlet. Eu ia sentar lá e debruçar-se sobre o script. Havia algo sobre pentâmetro iâmbico, e eu me lembro, eu tinha 11 anos… Eu fui tentar o meu primeiro agente. Eu fui lá e disse: “Eu realmente quero ser uma atriz.” Ela disse, “Ok, eu adoraria trabalhar com você.”

Eu disse: “Você precisa ver o meu trabalho primeiro. Eu memorizei o monólogo de Ophelia para você.”
Ela estava olhando para essa menina que tem 11 e ela estava como, “Sim, deixe-me ver o que você pode fazer com Ophelia.” E eu tenho certeza que foi horrível. Eu não tinha ideia do que estava fazendo, e ela era tão doce. Ela me deixou sentar lá e tentar ser Ophelia com 11 anos. Eu sempre o amei (Shakespeare).
Você era uma garota quando ele saiu … Você estava obcecada com Claire Danes e Leo DiCaprio como Julieta e Romeu (no filme Baz Luhrmann)?
TB: Oh, com certeza. Essa foi a meu hino de cada fim de semana.
Quando você tinha cerca de 10…
TB: Quando realmente abriu um mundo de peças dentro de Shakespeare, e de modernização. Quando eu escrevi meu primeiro curta-metragem, Exiles, eu queria explorar essas histórias quase como se fossem mitos. Estas são essas histórias clássicas, muitas pessoas conhecê-las. Eles trabalham vez após vez. Quando Matt e Kyle (Hazart) vieram até mim e queriam misturar o gênero dentro dos casais havia uma parte de mim que estava como, “Isso vai ser realmente emocionante fazer.”
Como foi pra você pegar um texto que você era familiarizada e adicionar a dimensão de trocar o gênero?
TB: É interessante porque não modernizamos o período, mas isso trouxe o perigo para a história. Eu fui sortuda de crescer em Los Angeles, na America e ninguém me disse por qual menino ou homem eu tinha que me apaixonar. Não tem ódio entre famílias aqui, não tem o termo guerra de sangue, então algo como Romeu e Julieta não acontece do jeito que as famílias, e as linhas de sangue, e arranjam casamentos que são uma coisa verdadeira na cultura. Na cultura ocidental (obviamente ainda existem).
Para mim, tornando-se uma mulher e uma mulher ou tornando-se um homem e um homem dentro de uma família muito rica, traz de volta que há um monte de lugares onde seria escondido. O perigo se torna real imediatamente. De repente você olha esses dois amantes e diz, “Eu sei essa história. Eu amo essa história.” E isso de repente não parece justo porque eles são um casal do mesmo sexo agora.
Ou até o inverso – eu amo quando vemos o Romeu mulher e a Julieta homem. Para mim, respira a vida nova para isso. Mas na peça não havia nada que precisava mudar.
Quando você está fazendo teatro, e eu fiz Romeu e Julieta de várias maneiras, você está sempre se ajustando, como Julieta, seu Romeu – essa pessoa tem uma energia diferente ou se torna em um jeito diferente. Quando eu estava trabalhando com a Tinuke ou o Brandon era apenas trabalho com dois diferentes Romeus. Não teve um momento que eu pensei “é uma garota”. Era apenas “Esse é meu Romeu agora. Como isso muda minha energia como Julieta?”
Assistir Will e o que Will fez com a Julieta instruiu minha Julieta, quase mais que qualquer Romeu que já cruzou meu caminho. Isso foi mais que Will e eu construímos juntos como personagem.
Você pode elaborar nisso?
TB: Eu nunca pensei nisso como masculino e feminino. Eu pensei nisso como o agressor na cena – o persuasor e a pessoa persuadida. Julieta é uma das mulheres mais fortes na literatura ocidental. Ela é uma garota de 14 sem qualquer experiência, e ela conhece, se apaixona e decide casar completamente contra os desejos da família. Ela é incrivelmente confiante e muito poderosa. Eu não olho para o poder dela e digo, “Oh, isso é poder masculino”. Eu olho pra ela e digo “Essa é uma personagem poderosa.”
É isso que eu e Will fizemos. Não era se ela era mulher ou homem? É quando ela está sendo ativa e quando ela está sendo passiva?
Há outro texto clássico que você gostaria de fazer essa examinação?
TB: Vamos ter Little Woman com todos os homens… (Piada)
A grande coisa é que você pode fazer tudo com esses textos. Eles são tão poderosos. Sarag Bernhardt fez uma Hamlet feminina 80 anos atrás. Essa ideia está por ai, e é poderoso porque você realmente quer ver o que um específico ser humano irá fazer com aquele papel. A maior coisa sobre Sarah Bernhardt, eu imagino hoje, que ela foi uma poderosa e comovente atriz que as pessoas queriam ver o que ela faria com qualquer texto. Não importaria o que ela estava interpretando, homem ou mulher.
Qual é seu papel final de Shakespeare?
TB: Isso mudou. Eu adoro a Julieta. Eu nunca fiz uma super produção da Julieta. Eu acho que isso seria um sonho. Eu sempre amei a Ophelia. Enquanto eu crescia eu senti que eu podia abordar agora e meio que dar um toque, Lady Macbeth. Ela é uma mulher poderosa e uma personagem orgulhosa. Falando sobre sexo, gênero, poder e energia – o que ela faz bem no começo é perguntar aos espíritos do mundo para “desxessuar” ela, para remover, o que foi percebido até então, como aspectos mais fracos ou mais femininos para que ela pudesse realmente se tornar um homem nesse mundo dos homens. Isso, para mim, é um personagem realmente interessante, e tem muitas comédias. Viola em Twelfth Night interpreta sem o mundo dos homens como homem.
A outra coisa que também é muito divertida sobre troca de gêneros ser muito nova é que todas essas personagens femininas são interpretadas por homens em vestidos originalmente. A verdadeira mudança intensa foi quando uma mulher se levantou no palco pela primeira vez e interpretou uma mulher.
Verdade.
TB: (Brincadeiras) “O que? É tão louco!” Então, para voltar e fazer a Julieta, de novo, como um homem. Estavamos realmente retornando como era antes. Esses são um monte de papéis (eu amaria fazer). Em espírito, vamos nos jogar em Hamlet.
É claro!
Ophelia é ótima, mas porque não?
Entre Still A Rose e seu papel nesse lindo vídeo do The Head and The Heart para “Another Story”, e a estranheza universal de PLL, você deve ter acumulado um monte de fãs LGBT até o momento. Você recebe o feedback dos fãs sobre esses papeis diferentes que você vem fazendo ou sobre o apelo da Spencer?
TB: Eu falei com um monte de publicações LGBT, ou até mesmo meus amigos, especialmente minhas amigas que se identificam como lésbicas. Eu fiquei tipo “Porque você acha que as coisas da Spencer realmente funcionam com as mulheres? Porque, você sabe, se você está assistindo e está atraída por mulheres, Emily (Shay Mitchell) está representando isso, e também, ela é muito sexy.”
Tudo isso é verdade.
TB: (Eu perguntei) “Isso é sobre Spencer?” E minha amiga vira e diz “Bom, é a voz de Lauren Baccal. E também, honestamente, você é esperta. Você interpreta uma mulher esperta.”

Inteligente e mais experiente. É a coisa Nancy Drew toda.

TB: Para mim, esse foi o momento mais engraçado. Eu estava tão orgulhosa de ter uma personagem heterossexual no show e ser tão amado pela comunidade LGBT. Muitos dos meus amigos gays amam Spencer. Sou super agradecida. Nesse ponto, eu tenho interpretado um número de mulheres que são atraídas para as mulheres e eles estão lutando tanto com isso ou com confiança a avançar com isso. Eu não sei o que se torna uma coisa para mim. Já me perguntaram um monte de vezes: “O que você pensa sobre interpretar esta personagem que é lésbica?” E eu fico, “Eu não penso sobre isso.” É uma pessoa.

Um dos muitos aspectos de Pretty Little Liars que eu amo tanto é o Girl Power. No final do dia, em meio a problemas com A, e vários pares românticos, as meninas cuidam umas das outras. Você pode falar com a importância de meninas/mulheres ajudar e apoiar umas as outras?

TB: Esse sempre foi o núcleo do nosso show. Eu me sinto incrivelmente afortunada que eu trabalho em um show que foi escrito por um monte de mulheres muito fortes, ou homens que adoram mulheres, dirigido por tantas mulheres fortes, e que eu sou cercada constantemente por um elenco de mulheres fortes. Costumo olhar ao redor quando estamos todos sentados comendo rosquinhas, arrotando, e falando, bastante abertamente, homens. E eu fico tipo, “Uau, sets como este são raros.” Sets de que têm as mulheres que fazem outras mulheres sentirem que não são poderosas o suficiente, bonitas o suficiente, magras o suficiente. Nosso set é como uma festa do pijama prolongada com seus melhores amigos.

Eu amo isso.

TB: Eu me sinto que um monte de set são assim para os homens. Eu penso sobre Entourage ou algo assim, e eu penso sobre as mulheres que vão para Entourage por um dia, que estão vestindo um biquíni o dia inteiro, que estão interpretando um papel muito bonito, sexualizado, e é um monte de caras que sentam-se ao redor em roupas confortáveis, camisetas e calças de moletom, e atiram merda. (Adiciona uma ressalva) Não sei nada sobre esse set. Eu tenho certeza que é um adorável, acolhedor set. Mas você sabe o que quero dizer?

Eu imagino que tipo de set é a norma.

TB: Eu me sinto incrivelmente sortuda. Mesmo quando nos dizem que uma cena de sexo está chegando, é engraçado porque nós sabemos, “Ok, isso significa que não tem que fazer nada diferente.” Mas quando qualquer um dos caras no nosso show sabe disso, então eles precisam ir para a academia. “Você vai aparecer sem camisa. Você vai precisar se depilar. “Disseram-me que estamos fazendo uma cena de sexo e não significa nada para mim, porque eu vou estar debaixo das cobertas. Legal.

Isso é incrível.

TB: É maravilhoso. Tenho certeza que se eu fosse em qualquer outro set e eles dissessem: “Você está fazendo uma cena de sexo” eu ficaria tipo, “Uh oh.”

Certo. Saindo para me depilar para você.

TB: Sim, como eu vou estar em alguma lingerie. É uma inversão maravilhoso e eu me sinto muito sortudo de estar no set com mulheres muito fortes. No final do dia, que é inteiramente um produto do nosso show realmente valorizar o vínculo do sexo feminino e com o apoio do sexo feminino. Eu me sinto tão sortuda que, tão louco quanto o nosso show fica com os momentos insanos que tem, ainda sempre se resume a essas quatro meninas sempre apoiando umas as outras.

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Entrevistas
08.09.2015

Troian está com um novo curta-metragem, We Are Here.

A duas semanas, Troian não compareceu ao TCA e justificou dizendo que estava em um novo projeto e logo saberíamos sobre ele. Realmente ela não estava brincando. Com suas pequenas férias das gravações de PLL, Troian viajou para Toronto e começou a gravar seu novo curta-metragem, chamado We Are Here, dirigido por seu noivo, Patrick J. Adms, nele Troian interpreta uma mulher grávida, à medida que mais informações forem liberadas, nós atualizaremos este post.

FICHA TÉCNICA.

Título: We Are Here.

Direção: Patrick J. Adams.

Equipe Técnica: Avery Plewes, Rebecca Wachtel.

Elenco: Troian Bellisario.

Local das gravações: Ilhas de Haida Gwaii, Toronto/Canadá.

 

O QUE SABEMOS?

1 – Patrick e Troian visitaram a praia de Haida Gwaii duas semanas atrás e arrumaram o local para o inicio das gravações.

2- Como em todo curta, as gravações duraram dois dias, começaram sexta e terminaram domingo.

3 – A personagem de Troian ainda não tem nome, somente sabemos que ela interpretará uma mulher grávida.

4 – Uma das pessoas envolvidas na produção do curta, comentou sobre a exibição dele ainda esse ano em um festival, sónãodissequal :/.

Confiram as fotos dos bastidores das grvações de We Are Here em nossa galeria, clicando nas miniaturas abaixo:

Troianweare-002.jpg Troianweare-003.jpg Troianweare-004.jpg Troianweare-007.jpg

 

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens
25.06.2015

[Matéria]: Hazart e Troian Bellisario falam sobre Still a Rose – Bustle Network.

Bustle: “O que há em um nome? Isso que chamamos de Rosa, por qualquer outro nome teria o mesmo cheiro.” Esta citação de Romeu e Julieta é um dos quotes mais famosos de William Shakespeare, mas, um novo curta-metragem está prestes a mudar a sua percepção da frase. Estreando na quarta-feira à noite no Frameline39 San Francisco International Film Festival LGBTQ. Still A Rose apresenta a cena da sacada de Romeu e Julieta através de quatro diferentes casais, acrescentando gênero e sexualidade inclusos para a interpretação clássica. No filme, dirigido por Hazart, a estrela de Pretty Little Liars, Troian Bellisario, interpreta Julieta, mas ela não é a única, nem para confessar seu amor por um único Romeu. Em vez disso, Still A Rose mostra quatro casais diferentes como os amantes de Verona, trazendo nova diversidade para a história que, embora comum no teatro, é nova para o cinema, Hazart e Bellisario partem para as oportunidades e desafios que são apresentados na refilmagem.

Troian Bellisario: “Havia muito para gravar, e nós realmente só tínhamos duas noites,” Bellisario, que interpreta Julieta, em dois dos casais, explica. “No processo de ensaio, nós realmente tivemos que encontrar uma coreografia que foi compartilhada entre todos os diferentes casais, para que pudéssemos filmar isso da mesma maneira.” Os resultados disso são evidentes em todo Still a Rose, com o período de tempo entre as gravações que variavam. Às vezes, um casal permanece na tela por muito texto, enquanto em outros pontos do filme corta muito rapidamente entre todos os quatro pares, criando um efeito interessante que empresta a sua tema da inclusão. “Tivemos que ter as mesmas cenas porque eles tinham que ser tipo de intercambiáveis, por isso era algo que era muito interessante para lidar com duas Julietas diferentes e dois Romeus diferentes, e que haja uma linguagem comum entre os casais que podem ter diferenças, mantendo as diferentes dinâmicas e energias diferentes “, diz a atriz.

B: Bellisario é acompanhada por Brandon Crowder, Tinuke Oyefule, e Will Branske para retratar os quatro casais seguintes: Romeu masculino / Julieta feminino, Julieta masculino / Romeu feminino, Romeu masculino /Julieta masculino, Romeu feminino / Julieta masculino. Esta combinação permitiu a Hazart alcançar seu objetivo de usar o filme “Para mostrar ao público que todo o amor, não importa o sexo, atração ou credo é igual, bonito e válido.”.

Hazart: Still a Rose na verdade tem o seu início quando Hazart viu outra cena inclusive sobre Shakespeare. “Nós fomos inspirados por um amigo e diretor de teatro, Casey Kringlen, que colocou-se em uma tomada LGBT em todo o jogo de Romeo e Julieta, “diz Hazart. “Depois do desempenho que pensávamos no teatro, e usando ferramentas de cinema, poderíamos alcançar um curta-metragem comovente e belo que parecia nunca ter sido tentado. A luta pela igualdade de direitos e respeito LGBT é uma causa que devemos comentar sobre antes e acredito profundamente nisso. Nós pensamos, que melhor maneira do que com a mais famosa história de amor jamais contada.”

B: Além dos desafios de filmar a cena várias vezes com movimentos precisos e linguagem, um lote de pensamento entrou na edição de Still A Rose, liderado por Jeremy Floyd, para garantir que ele alcançasse a visão de Hazart.

Hazart:“Havia certas cenas e transições que nós pré concebimos antes de gravar e nós sempre tivemos a intenção de se sobrepor as vozes dos personagens de casal, mas não sabíamos de linha para linha, o que seria na tela”, diz Hazart. “Indo para edição estávamos conscientes de quanto cada casal está na tela, mas nós filmamos a cena inteira com cada casal para que pudéssemos ter a liberdade de cortar com qualquer desempenho a qualquer momento. Sorte para nós tivemos quatro grandes casais para cortar entre cena. “

Para os atores, eu nunca quis estar completamente certo quanto as suas várias reações e leituras que usariam, como diz Bellisario,

TB: “Foi realmente apenas sobre estar presente como Juliet em resposta a seus diferentes Romeus. Como foi Romeu de Tinuke diferente para mim do que o Romeu de Brandon? “Ela continua:” Foi interessante, porque isso é diferente em última análise, não cabe a mim … Em uma filmagem, a câmera poderia estar sobre mim e eu poderia estar reagindo a Tinuke, mas poderia colocá-la comigo e Brandon … Isso é como os realizadores decidem, eles que escolhem qual tipo de reações que queriam. “

B: O resultado de todas essas decisões é um filme verdadeiramente móvel que realiza exatamente o que Hazart propôs a fazer: Usar uma das maiores histórias de amor de todos os tempos para mostrar que todas as formas de amor são iguais. Embora ambos Bellisario e Hazart são rápidos em apontar e mostrar peças clássicas através desta lente comum no teatro, ele tem um efeito diferente no filme e pode introduzir algo totalmente novo ao público para o conceito.

TB: “Para colocá-lo no filme eu acho que realmente desafia as pessoas de uma maneira nova, porque quando vamos ao teatro nós somos muito mais indulgentes para isso”, diz Bellisario. “Por alguma razão, ver alguém de corpo inteiro no palco na frente de você, se é uma mulher que interpreta um homem ou um homem que interpreta uma mulher, é algo que nós estamos um tipo de mais acostumados a teatro do que vê-lo no filme, e assistir um homem dizer as citações de Julieta é algo que é talvez um pouco mais desafiador quando você está assistindo na tela ao invés de viver”.

B: Pode ser um desafio para alguns, mas isso não significa que não é agradável e comovente. Espero ver adaptações de clássicos semelhantes no futuro e, felizmente, isso é algo Hazart é muito aberto

Hazart: “Achamos que há uma grande oportunidade para tentar encontrar outras cenas em que pode-se fazer algo semelhante”, diz Hazart .

“Há todo um grupo de pessoas para quem a literatura clássica não reflete sua identidade, e não porque ela não pode, como acreditamos que este filme pode provar. Embora não temos quaisquer planos atuais para outras peças ou cenas que tivemos algum interesse aqui no Frameline39, possivelmente expandiremos o filme para outras cenas ou um filme inteiro com o mesmo conceito … Não parece haver muito interesse e oportunidades criativas para re-contar histórias clássicas através de uma lente diferente, então é algo que nós esperamos participar. “Enquanto isso, temos Still a Rose, que estreia na quarta-feira às 7 horas, no Teatro Roxie no Programa Sweet Bis no Frameline39 San Francisco LGBTQ Internation Film Festival.

Fonte: Bustle Network

Tradução e Adaptação: Equipe Troian Bellisario Brasil.

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Entrevistas, Matéria
17.06.2015

Confira o trailer de “Still A Rose”

Como todos sabemos, Troian faz bastante curtas independentes, alguns deles ela é até a diretora e escritora, como Exiles. Agora é a vez de Still a Rose, ganhar seu trailer. O lançamento está previsto para o dia 24 de junho no Framelime. Acreditamos que eles devem disponibilizar online após o lançamento. O site AfterEllen fez alguns comentários sobre o curta, confira traduzido abaixo:

“O, ela ensina as tochas a queimar brilhantemente!” Romeu e Julieta é indiscutivelmente a mais famosa peça de Shakespeare e por boas razões. Amor, em sua infinita glória e tragédia é o que nos faz amar. R&J também se presta a muitas variações, que é exatamente o que os cinestas fazem tão bem no curta Still A Rose.

O curta tem como estrela Troian Bellisario (admita: ela é sua PLL favorita) como Julieta. Em uma torção maravilhosamente convincente, o curta também traz Will Branskee como Julieta, com Brandon Crowder e Tinuke Oyefule como o romântico e trágico Romeu. A cena do balcão é feita em cenas intercaladas, tanto com pessoas do mesmo sexo e casais heterosexuais. O resultado é um passeio de tirar o fôlego e a cena mais famosa da literatura, de alguma forma, é renovada mais uma vez.

Confira o trailer abaixo, sem legenda:

 

Publicado por   |   Armazenada em: Curta-metragens, Trailer